website metrics Pensamentos: Julho 2005

segunda-feira, julho 25, 2005

A Minha Sorte

Hoje rendo-me às evidências. Não vale a pena lutar contra o destino - limito-me a seguir o caminho que as estrela me traçam...

"Precisa de obter rapidamente alguns resultados no seu trabalho. Por isso, não hesite em dizer o que pensa e em fazer sugestões."
Horóscopo de 25 de Julho'2005

domingo, julho 24, 2005

Depois do Inferno

Foto: Portugal Diário

O fogo passa e deixa para trás apenas cinzas. Mas as chamas não queimam apenas o que se vê...

sexta-feira, julho 22, 2005

Ao Quarto Dia

foto: Portugal Diário

O cheiro já se entranhou na roupa, no corpo, na epiderme, na alma. O fumo paira no ar. Às vezes assenta, mas as chamas fazem-no subir.
Não há banhos nem descanso que limpem os momentos, as histórias, as vidas... Até quando?

segunda-feira, julho 18, 2005

Ao Sabor do Vento


Sócrates quer-nos levar ao sabor do vento. Por mim tudo bem, desde que os portugueses não se deixem embalar na brisa e se esqueçam da vida.

sexta-feira, julho 15, 2005

Sonhar Acordada

Fecho os olhos. Vejo o mar, ouço a melodia das ondas quebrarem na areia, sinto a brisa do atlântico no meu rosto. A minha pele está salgada, os meus cabelos emaranhados. A água está fria e os meus pés enterram-se na areia, ao sabor do doce ritmo das ondas. Um vai-vem constante que embala as gaivotas a planarem no ar.
Abro os olhos. A paisagem da janela do meu quarto é bem diferente. O mar está longe, fora do meu alcance. Quero voltar!

quinta-feira, julho 14, 2005

Tu

Adormeci nos teus braços, numa noite quente, ao sabor da ventoinha. Senti-te beijares os meus ombros durante o sono, pensei como era bom estar contigo, já cheia de saudades.
Na manhã seguinte dormias. Olhei o teu corpo despido de preocupações e apeteceu-me ficar. Mas a realidade é mais dura. Tive de sair, sempre a olhar para trás, na esperança que cordasses para te beijar de novo.
Lá fora, esperava-me o fogo de Julho. Não havia nada a fazer. Tive de te abandonar. O regresso é uma incógnita, mas o desejo de voltar é uma certeza.

quarta-feira, julho 13, 2005

À esquerda do Dalai Lama

Quem me quiser conhecer, esta é a minha "posição política".
Quem quiser comparar, só tem de testar.

terça-feira, julho 12, 2005

Cinzas

Foram necessárias mais de 48 horas para apagar o incêndio na Serra da Estrela. Mesmo acompanhando de perto o incêndio e as operações, continuo com muitos porquês...
Foto: Gonçalo Teles Vieira

domingo, julho 10, 2005

A Roda do Dharma

A 10 de Julho comemora-se, no calendário tibetano, um dos quatro grandes festivais anuais relacionados com a vida do Buda Shakyamuni. É um dia em que, segundo a tradição, e de acordo com a circulação das energias subtis no universo, os efeitos das acções positivas e negativas aumentam dez milhões de vezes.

sábado, julho 09, 2005

O "momento" televisivo

Uma imagem pode não valer mais do que mil palavras. Mas a captação do "momento", em televisão, é decisivo. Mesmo quando não se passa " em directo" (porque a maioria das vezes os acontecimentos verdadeiramente importantes já sucederam), a transmissão das imagens, do tal "momento", em diferido valem muito mais do que todas as palavras.
É assim para quem faz, mas sobretudo é assim para quem vê.

sexta-feira, julho 08, 2005

World Press Photo

A dor do tsunami na Índia (foto: Arko Datta, Reuters/ Vencedor'2005)

Começa hoje em Portimão. Para mim, é longe demais.
Talvez o Centro Cultural de Belém, em Outubro, mas definitivamente no Fórum da Maia, em Novembro.

quinta-feira, julho 07, 2005

No Comments

Passageira evacuada da estação Edgware Road, Londres (foto: Jane Mingay/AP)

quarta-feira, julho 06, 2005

Take One

Workshop One Minute Movie, Viana do Castelo'2005

Há recordações que chegam à caixa do correio e que nos fazem regressar no tempo, reviver emoções, rever pessoas, reconstruir histórias. Entre as memórias "envelopadas" encontrei 1 dvd que me fez repensar o caminho profissional que percorro. Sinto saudades da claquete, da perfeição da imagem, da criação dos momentos (mais ou menos) cinematográficos.

domingo, julho 03, 2005

Teia de Aranha

Fotografia de António Sá

Quando se está presa numa teia de aranha, tem-se tempo para pensar em tudo. Enquanto a teia se cola ao corpo e enrola a impaciência, passa-me de tudo pela cabeça. Não vale a pena tentar escapar: quanto mais me debato na tentativa de fugir, fico cada vez mais enrolada nos fios que foram tecidos pacientemente pela aranha. Quando quiser sair só posso rasgá-la. Não há outra maneira de sair desta teia que me enrola a alma.

sexta-feira, julho 01, 2005

Salvador Dali