website metrics Pensamentos: Julho 2006

quinta-feira, julho 27, 2006

Jornalismo de Guerra

Lição nº zero
"O mais importante é regressar com as duas pernas, os dois braços e o mesmo número de buracos no corpo que quando partimos."
Mário Rui de Carvalho, "repórter de combate" da CBS news
Mafra, Escola Prática de Infantaria

Esta e outras fotografias de Rui Duarte Silva, no Expresso
Palestra inserida no curso "jornalistas em zonas de conflito"

segunda-feira, julho 24, 2006

Amazónia

Há dias vi uma entrevista com o fotógrafo Nuno Lobito na 2:
Não resisti a ficar até ao fim. Não resisti a procurar-lhe o rasto. Encontrei...

Foto: Nuno Lobito

domingo, julho 23, 2006

...doce lar

Visto daqui o meu ninho é ainda mais bonito...
Ponte da Arrábida, Porto
Julho'2006

sábado, julho 15, 2006

Yin Yang

Cozinhar é encontrar o equilíbrio de sabores. Também os alimentos são separados por categorias: Yin, Yang e Neutros.
Yin, que representa a mulher, está presente na maçã, ananás, morangos, gelado, peixe, ostras, camarão, pato, chá de menta.
Na lista do Yang, símbolo masculino, está o café, chocolate, ovos, coelho, cebola, batata, vinho.
Pão, leite, cenoura, ervilhas, são alguns dos alimentos neutros.
Agora, toca a cozinhar...

quinta-feira, julho 13, 2006

O meu jardim

Invadiram o meu jardim. Já não vejo relva nem formigas. Apenas um palco que se há-de encher de luzes, música, barulho. Há cadeiras de esplanadas espalhadas por todo o lado. Cheira a farturas e a cachorros quentes. As luzinhas de carrosseis já se prepararam para brilhar. Os altifalantes estão prontos a debitar decibeis. Assim que o sol se deitar não há-de faltar gente - a pé, de carro, a passear, a falar, a gritar.
O fim-de-semana promete! Lá se foi o meu jardim.

quarta-feira, julho 12, 2006

Além Mar

Grove, Galiza
Julho'2006

Perto do Mar. Em cima do Mar. Dentro do Mar. Debaixo do Mar.
Cheira a sal. Cheira à brisa do Atlântico. Cheira ao vento que emaranha os cabelos. Cheira ao barco prestes a ancorar. Cheira a descanso.
Cheira à flora que ondula no mar. Cheira aos peixes que se escondem nas rochas. Cheira às algas que balançam na ria. Cheira às flores que se escondem em si próprias.

sexta-feira, julho 07, 2006

Balança

Parafraseando uma amiga:
"Como é que se toma uma decisão importante quando nenhum dos dois pratos da balança descai?"

quinta-feira, julho 06, 2006

Vícios

Resultado:16
Perigo: Reduza suas horas de trabalho, pois há mais vida fora do escritório. O ideal mesmo é que você se desligue por uns dias e faça algo para o bem do seu corpo e da sua mente. Você ficará mais disposto e conseguirá trabalhar bem em menos tempo, porque sua produtividade aumentará.

quarta-feira, julho 05, 2006

Menina e Moça

Digo:
"Lisboa"
Quando atravesso - vinda do sul - o rio
E a cidade a que chego abre-se como se do meu nome nascesse
Abre-se e ergue-se em sua extensão nocturna
Em seu longo luzir de azul e rio
Em seu corpo amontoado de colinas -
Vejo-a melhor porque a digo (...)

Sophia de Mello Breyner

Fotos: RF
(Como não encontro as minhas, tive de me apropriar das do vizinho.)

domingo, julho 02, 2006

Vista para o Espaço

Aos domingos de manhã o jardim está vazio. Ainda cheira a relva cortada, ouve-se o silêncio dos pássaros, sente-se a brisa nos ramos das sombras.
As páginas do jornal começam com a bola. A histeria portuguesa, depois a francesa, a confiança das duas selecções. Já chega! Pelo menos a Pública (à excepção do cartoon do Luís Afonso, que não incomoda) poupa-nos desta espiral de emoções e irracionalidades da bola. Entre as linhas, página a página, há uma reportagem que mais parece ficção. Podia chamar-se “história de um pastor que hoje é astrónomo”. De costas voltadas para a Serra da Estrela, nenhuma leitura me parece mais adequada.
Sérgio Caldeira, 38 anos, nascido numa Lourinhã sem televisão. Saiu da escola para guardar o rebanho. Não se queixa, porque lhe deixava muito tempo para ler. E leu, apesar da oposição do pai que não percebia a utilidade daquele hábito. Leu clássicos, astronomia, ficção científica. Conseguiu tirar um curso de informática, entregou-se à observação da Lua, através de um telescópio de fabrico próprio. Hoje usa o mesmo telescópio, tem conhecimentos profundos sobre a órbita da Lua, já observou asteróides e cometas. Conhece o céu. Diz que é feliz.
Não acredito que o futuro esteja escrito nas estrelas, mas para se avançar é preciso olhar para o céu.